Peeling químico | Dermatologia | Dr. Gustavo Medronha

Peeling químico

 

É uma técnica dermatológica que consiste na aplicação de um ou mais agentes químicos com o objetivo de remover de maneira controlada e em graus variados as camadas da pele.

O peeling químico é indicado para quem deseja ter uma pele mais saudável e tratar condições de pele específicas, como cicatrizes de acne, manchas do sol e melasma, bem como para o tratamento do envelhecimento cutâneo.


Existem diferenças entre os tipos de peelings químicos?

Sim. Os peelings químicos são classificados de acordo com a profundidade em que removem as camadas da pele.

Peeling muito superficial – remove apenas a camada córnea. A solução de Jessner, a depender da quantidade de aplicação, é um exemplo de peeling muito superficial.

Peeling superficial – remove a epiderme de forma parcial ou total. Os peeling de ácido retinóico e de ácido glicólico são exemplos de peeling superficial, sendo os agentes químicos mais utilizados na prática dermatológica.

Peeling médio – promove a esfoliação da epiderme até a derme papilar. Peeling de ácido tricloroacético (ATA ou TCA) a 35% e a 50% são exemplos de peeling médio.

Peeling profundo – atua na epiderme até a derme reticular. Peeling de formol é um exemplo de peeling profundo.


Quais são as indicações para a realização de peeling químico?

São inúmeras as indicações para a realização de peeling químico. A aplicação de peeling de ácido retinóico, por exemplo, é indicada na:

- Melhora da textura, do viço e do turgor da pele;
- Redução da oleosidade da pele;
- Clareamento de manchas em face, colo e dorso de mãos;
- Tratamento complementar do melasma, da acne e do envelhecimento cutâneo.


Quais são as contraindicações para a realização de peeling químico?

Herpes labial em atividade, infecções de pele e gravidez são algumas das contraindicações mais frequentemente observadas.


Existem riscos de complicações?

Sim. Dependerá, essencialmente, da profundidade do peeling químico, da técnica utilizada e das características de cada paciente.

Peelings químicos superficiais são bem tolerados, entretanto, não são isentos de complicações, como piora de manchas e surgimento de infecções. Por isso, é essencial que o médico tenha conhecimento das complicações e dos agentes químicos escolhidos para a realização do peeling.


Quais são os cuidados que devem ser tomados após a realização de peeling químico?

Após o procedimento, o paciente deve evitar exposição solar nas próximas semanas. Além disso, deve utilizar protetor solar de amplo espectro, com fator de proteção solar (FPS) 30 ou superior, sabonetes suaves e hidratantes com ação calmante.

Dr. Gustavo Medronha
Dermatologista

Entre em contato